XIX - SOBRE UM VELHO TEMA

Ainda que a Igreja, piedosamente,
celebre inspirativos cultos,
Seu conselho, zelosamente,
planeje e execute grandes projetos,
Seus pastores, estudiosos,
proclamem belos sermões
Seus diáconos, ativamente,
assistam a todos os necessitados,
Seus departamentos, intensamente,
cumpram à risca seus programas,
E no final do ano apresentem intensos relatórios
Mas se não tiver AMOR, de nada adiantará, pois tudo isso...

Será apenas uma caprichosa liturgia
Uma demonstração de responsabilidade
Uma boa administração
Uma apreciada assistência social
Uma eficiente ação funcional
Que coroará somente uma auto-promoção

O AMOR não é pieguismo
Doutrinalismo
Burocratismo
Assistencialismo
Ativismo
Não se exaspera em ostentar dados estatísticos

O AMOR é uma história toda de celebração de perdão e paz
É a vez e a voz dos que as perderam de vez
É a opção radical pela vida em toda a sua grandeza
É a solidariedade que brota do coração cheio de bondade
É a ternura dos olhos e da voz nos gestos e no partir do pão

Agora, pois, permanecem a oração, o trabalho e a meditação.
Mas que tudo possa nascer da maior de todas as virtudes:
Do AMOR que está em todo amor
Do AMOR que jamais acaba.



Carlos Alberto Rodrigues Alves

Nenhum comentário: