LX - HAI-KAIS NOTURNOS


Tenho alguns amigos-poetas que me agraciam, periodicamente, com seus livros-de-encantamentos;
Outros, também poetas, vivos-ou-não, vivem me emprestando seus óculos-de-esperança;
Mas há os que, em meio ao anonimato dos papos-de-botecos, em noites estreladas-ou-chuvosas, me vendem, para sobreviver, essas pérolas chamadas hai-kais, pequenos poemas que fotografam e eternizam a grandeza do momento que passa.

Veja alguns deles:

Distraída a lua
abraça o casal
no canto da rua .

Leia este outro:

Pesquemos estrelas
sem utilizar anzóis
a isca somos nós .

E mais esse:

A chuva chove
um pingo dágua
me comove.

Penso nestes mestres alados ... Bem diferentes do Faustão-falastrão-cujo-falar-não-diz-nada-e-não-acaba-mais!

Lembro-me de um provérbio que diz: No muito falar há muito engano...as palavras são de prata, mas o silêncio é de ouro!

Daí então, peço ao sábio Deus para não me deixar falar mais que o essencial.
Carlos Alberto.


Nenhum comentário: