125 - SOBRE CISMAS E INQUISIÇÕES


Os cismas eclesiásticos sempre aconteceram e ainda acontecem, primeiramente, por uma questão de poder e não por questões doutrinárias.

Hoje, dia 31 de julho, a história da Igreja marca uma de suas inúmeras cisões.

Em 1903 a Igreja Presbiteriana era muito pequena para duas grandes estrelas: Álvaro Reis e Eduardo Carlos Pereira. Por isso, dividiram uma vez mais a Igreja. De um lado ficou a Igreja Presbiteriana do Brasil, de outro lado a Igreja Presbiteriana Independente.

As justificativas foram construções posteriores. Diz-se que um deles queria dependência das verbas americanas, distanciamento da maçonaria, execução de um projeto nacional, ênfase no ministério feminino.

Como é impossível impedir o surgimento de muitos outros segmentos religiosos e como é impossível que todos eles estejam com a verdade,

Peço ao bom Deus que, pelo menos, em nenhum deles ressuscite o espírito das palavras do inquisidor-geral , Torquemada, imortalizado na peça de Victor Hugo:


"Para que o inferno se feche e o céu se abra, é necessária esta fogueira. Porque o inferno de uma hora anula o inferno eterno. O pecado arde com o vil andrajo carnal e a alma sai, esplêndida e pura, da sua chama . A água lava o corpo, mas o fogo lava a alma".


Ave gratia!!! Sonho com um mundo onde não estejam presentes os tres maiores inimigos da humanidade: o fanatismo, a pobreza e a ignorância.

Nenhum comentário: