232 - SOBRE HOMOSSEXUALIDADE

Lição que aprendi do meu velho-que-está-na-outra-dimensão: “ Filhão, nunca fique em cima do muro”! Nem dentro do armário! Você não perde nunca! A gente só perde quando não toma posição".
Ele gostava daquele ensinamento do Mestre: “Que nossa palavra seja, sim, sim, não, não! O que passar disso é do maligno”.
É fácil defender bandeiras fáceis! É preciso ser corajoso para entrar em bola dividida.
Lembrei-me disso ontem, quando fui chamado, às pressas, para capitanear uma banca de monografia onde um acadêmico de teologia iria defender seu trabalho de final de curso a respeito do polêmico tema : “ Homossexualismo – um desafio para as Igrejas”.
Não fugi da raia!
Após bela apresentação, fiz minhas provisórias considerações:
  • Ao aluno, meus parabéns pela coragem de trazer este tema para um espaço tão previsível e tão alienado como é o mundo das nossas Igrejas;
  • Aos nossos professores, a sugestão de compreendermos melhor o mundo-pós-moderno que nos mostra o seguinte : a cada dia , e com mais frequência, teremos que aprender a dialogar com o OUTRO, com o DIFERENTE, com o palestino, o judeu, o corintiano, o sãopaulino;
  • Aos Meios de Comunicação de Massa, o contraponto de que homossexualidade não é promiscuidade, e nem tão pouco prova inequívoca de inteligência, criatividade e arte;
  • A todos nós, professores e alunos, a humildade de aprender com a Organização Mundial da Saúde, que homossexualidade não é doença e nem opção de quem vive essa condição;
  • Às Igrejas, católicas, protestantes, pentecostais ou neo-pentecostais, minha pergunta profética; “Por que os sonegadores de impostos, os adúlteros, os corruptos, os empresários-das-indústrias-de-armas e os banqueiros-nossos-extorquidores podem ter o respeito das instituições religiosas e os homossexuais devem pagar por estigma tão bestial?”
  • A todos os cristãos, a certeza de que Deus é amor e a última palavra nossa sobre tudo e sobre todos deve ser a do amor e da tolerância.

Nenhum comentário: