237 - SOBRE SONHOS EM FIM DE ANO

Final do ano vai chegando e trazendo, envoltos em mistérios, mais alguns fragmentos da grande noite astral.
Mas não quero ser como os amedrontados pássaros da tarde, que voam sempre para o mesmo lugar.
Incomoda-me a ideia da acomodação.

Invoco o Evangelho Segundo Quintana para mirar minhas estrelas. Somos nossos sonhos!
“Se as coisas são inatingíveis...ora!
Isso não é motivo para não querê-las...

que tristes os caminhos
se não fora
a mágica presença das estrelas!”
Quando leio esse poeminha penso que, às vezes, é necessário passarmos por loucos afim de abraçarmos um projeto ousado!
Sonhar, ousar, arriscar, lançar-se ao mar, jogar-se ao ar, ...sair da mesmice! Abrahão...!!! Esperar contra a esperança!
Há o risco de não chegarmos a nenhum lugar... Mas a viagem poderá terá valido a pena! Só perdemos se não tentarmos algo diferente.
“Se não houver frutos, valeu a beleza das flores;
se não houver flores, valeu a sombra das folhas;
se não houver folhas, valeu a intenção da semente”.

O melhor de tudo acho que é tornarmos real a profecia do filósofo

"E aqueles que foram vistos dançando,
foram julgados insanos por aqueles
que não podiam escutar a música."

Nenhum comentário: