333 - SOBRE UMA ESCOLA NOVA

Meu pai, além de violeiro, foi um mestre de obras.
Destes dos bons...
Nunca freqüentou uma universidade, mas ensinava muita coisa aos engenheiros.
Vi brotar de suas mãos mágicas: casas, pontes, igrejas, escolas...

Aliás, foi dele que ouvi pela primeira vez essas palavras cortantes: “Se os governos construíssem mais escolas, não precisariam construir cadeias”.
Foi pensando nisso que neste último dia do Senhor, ao inaugurar um grande colégio , trouxe de volta ao coração eternos ensinos do meu pai.
Sei que, em algum lugar confortável, ao lado do Grande Arquiteto do Universo, meu velho terá ficado feliz por ter sido citado.
Eu, eterno-aprendiz, sob o teto onde moram os terráqueos, continuo pedindo aos governantes e aos educadores para ler nos olhos de cada criança, o que ela mais quer e nem sempre sabe dizer:
“Por favor, me ajudem a aprender, a ser gente e a ser feliz”.
(No detalhe Colégio Estadual Eleutério Fernandes de Andrade, em Quitandinha, área metropolitana de Curitiba).

Nenhum comentário: