399 - SOBRE JESUS DE NAZARÉ

Neste domingo de Advento, leio o inquietante livro, recém traduzido, “Jesus – aproximações históricas”, de José Antonio Pagola.
Os guardiões-da-reta-doutrina já se armaram feitos cruzados-endiabrados, e sentenciaram que este Best-seller não representa o pensamento da Igreja.
Não é sem razão. Entre outras coisas provocantes, o livro resgata, numa linguagem de beleza, a teologia da inclusão.
Coisa tão cara e vital para Jesus, porém, coisa esquecida pelas doutrinas-caducas-e-excludentes-das-igrejas.
O livro é um libelo que açoita as pretensas-verdades dos templários modernos, afinal Deus não pode ser engarrafado em certezas dogmáticas-cimentadas-com-repetições-catequéticas.
Lendo este livro, que já é meu Vade Mecum, percebo que o Deus de Jesus está para nascer de novo.
E já que os templos-modernos-ornados-por-catecismos-sem-paixão não parecem ser afetuosas manjedouras, Ele procura os berços enfeitados de compaixão e de gestos afetivos para voltar a nascer.

Nenhum comentário: